Mestres da batalha

Este livro apresenta três grandes generais da Segunda Guerra Mundial, que lutaram bravamente e com muita competência por seus respectivos países: George Patton, Bernard Montgomery e Erwin Rommel.

O norte-americano Patton, o britânico Montgomery e o alemão Rommel destacaram-se por sua qualidade ímpar de conduzir homens e de manobrar suas peças nos campos de batalha, mas também por manterem relações conflituosas com seus líderes, respectivamente Eisenhower, Churchill e Hitler.

George Patton

Nesta obra, o autor aborda as personalidades únicas, determinadas e controversas dos três grandes guerreiros, e aponta como fator comum entre eles o fato de possuírem um elevado conceito sobre si mesmos, o que colocou não apenas os exércitos que comandavam em guerra, mas, sobretudo, os próprios egos.

Em “Mestres da batalha”, o leitor será levado às origens de cada um desses líderes militares, desde as nuances da sua criação no seio familiar à sua formação militar e profissional.

Bernard Montgomery

O autor apresenta o batismo de fogo desses guerreiros e descreve suas participações na Primeira Guerra Mundial, analisando que essas experiências teriam influenciado seus estilos de comando na Segunda Guerra, mas não poderiam ser consideradas como as suas causas.

Ao explorar o período entreguerras, o autor narra a trajetória de cada um dos personagens nesse interregno, sua ascensão na carreira, em três realidades diferentes e a preparação para o grande momento de suas vidas, quando comandariam formidáveis formações de homens e blindados, com muito sucesso, no segundo conflito mundial.

Erwin Rommel

Esse momento que os projetaria na História é tratado com profundidade, porém sem enfado, pelo autor, que descreve as principais conquistas militares desses três generais.

O autor apresenta os choques dos “aliados” Montgomery e Patton contra Rommel, nos desertos do norte da África, onde caçavam a “Raposa do deserto” e seu famoso “Afrika Korps”. Em seguida, expõe a rivalidade extremada entre os dois primeiros, cuja competição, na conquista da Sicília, pareceu deixar de lado a guerra para se tornar uma mortal corrida pelo inusitado prêmio de ser o primeiro libertador a chegar em Messina.

Os sucessos alcançados pelo alemão, na invasão da França e na África, que já o projetaram entre os aliados, estampados nas páginas dos jornais da Grã-Bretanha e da América, acirraram o ímpeto de Patton e Montgomery, ávidos por derrotarem a lendária figura.

O autor, então, transporta os personagens para a guerra pela Europa Ocidental, cenário em que tiveram participações relevantes.

Montgomery, após deixar o 8° Exército Britânico, na Itália, é chamado para comandar as forças terrestres aliadas na invasão da Normandia.

Patton, após a campanha da Sicília, é afastado devido à crise com seu superior Eisenhower e a mídia norte-americana, tendo sido relegado a papel secundário na Operação Overlord.

Rommel, após deixar o deserto, fora incumbido por Hitler para comandara s defesas ocidentais na França ocupada, conhecidas como a “Muralha do Atlântico”.

No momento decisivo da guerra no seu fronte ocidental, até o seu desfecho, o autor passa a apresentar os feitos e a revelar os destinos dos três brilhantes cabos-de-guerra.

Mostra o avanço espetacular de Patton pela França, reabilitado por Ike, à frente do 3° Exército; a insistência de Montgomery pelo lançamento da Operação Market-Garden; e o fato de os dois comandantes aliados encontrarem-se detidos, em Metz e Arhem, respectivamente, ante um inimigo ainda obstinado e pronto a defender o seu próprio solo.

Em seguida, apresenta os momentos finais de Erwin Rommel, afastado da luta para recuperar-se de um grave acidente, até sua condenação e morte pelos nazistas, por sua participação no complô de 20 de julho de 1944, contra Adolf Hitler.

Por fim, descreve a arremetida final de Patton e Montgomery, a vitória sobre os nazistas e os destinos opostos dos dois mais famosos generais dos aliados na Europa.

Patton, afastado novamente por Eisenhower por questões políticas, encontraria a morte em dezembro de 1945, em consequência de graves ferimentos sofridos em acidente automobilístico, próximo à Mannheim.

Montgomery seria aclamado e tornar-se-ia Chefe do Estado-Maior Imperial britânico, vindo a  falecer em 1976, aos 88 anos de idade.

Esse excelente livro explora a genialidade desses três magníficos líderes militares, verdadeiros mestres da batalha, porém escravos do próprio ego e de suas convicções: os intrépidos Patton e Rommel e o meticuloso Montgomery.

Vale a pena conferir em:

MESTRES DA BATALHA: A GUERRA DE MONTY, PATTON E ROMMEL.

Terry Brighton – Editora Record – Rio de Janeiro – 2014.

Disponível em: https://www.amazon.com.br/Mestres-batalha-guerra-Patton-Rommel/dp/8501083933/ref=sr_1_1?crid=174E8BTH9GRL2&keywords=mestres+da+batalha&qid=1670358183&sprefix=mestres+d+a+batalha%2Caps%2C354&sr=8-1

Deixe um comentário

2 × três =