Reminiscências da Campanha do Paraguai

Este livro não se trata de um estudo histórico sobre os aspectos políticos e sobre os eventos militares da Guerra do Paraguai. Muitas obras, de autores nacionais e estrangeiros, já os abordaram, em toda a  sua complexidade.

Esta obra é um relato fiel e sincero dos acontecimentos vividos por um jovem combatente brasileiro, estudante de engenharia da Escola Central, no Rio de Janeiro.

Movido pelo mais puro patriotismo, o autor dessas “Reminiscências da Campanha do Paraguai 1865-1870” apresentou-se como voluntário em 2 de janeiro de 1865, poucos dias antes de ser instituído o decreto dos Voluntários da Pátria. No mês seguinte, já estava a caminho da guerra, como soldado do Exército Imperial. Voltaria mais de cinco anos depois, como Tenente de Infantaria.

Rigores da vida em campanha

Na obra, Dionísio Cerqueira narra as dificuldades e a dureza da vida de um soldado em plena campanha. Expõe suas impressões sobre diversos aspectos da rotina do exército de então, abordando questões como as doenças que grassavam entre a tropa, o serviço médico, os castigos e punições a que eram submetidos, como adquiriam os itens básicos para viverem, a alimentação, as inspeções e várias outras peculiaridades.

Personagens ilustres

Narra, também, as ações dos grandes cabos-de-guerra, que se tornariam personagens da nossa História: Osório, Sampaio, Argolo, Mallet, Gurjão, Deodoro da Fonseca, Floriano Peixoto, Sena Madureira, Conde D’Eu e o maior de todos, Caxias. Descreve até os encontros que teve com o então Marquês, que viria a ser o Patrono do Exército Brasileiro.

Batalhas

Em paralelo, o autor descreve as batalhas que participou, apresentando, também, o desenvolvimento da campanha e o progresso das tropas brasileiras e da Tríplice Aliança no conflito.

Desde a transposição do Paraná e a invasão do Paraguai, o autor vai apresentando a sua visão das lutas, como em Tuiuti, no ataque ao forte do Estabelecimento, na passagem de Humaitá, nos combates da “Dezembrada”, a entrada em Assunção, a batalha de Campo Grande, a perseguição e morte do ditador Solano López, encerrando a guerra.

Batalha do Avaí (11 dezembro 1868) – óleo de Pedro Américo

Testemunho

No entanto, a maior riqueza desta obra reside na exposição do sentimento dos soldados e dos valores que carregavam.

Cerqueira descreve a amizade e a camaradagem entre os combatentes, a piedade para com os caídos e até aos inimigos, a vontade suprema de superar  todas as adversidades, tudo sob o mais puro e singelo patriotismo.

Com humildade, Cerqueira relata o tempo passado como praça, sua promoção a Alferes, a transferência do “Dezesseis” de Infantaria para o “Doze” e sua promoção a Tenente, já próximo ao fim da guerra.

De forma comovente, descreve a grandeza do sacrifício empreendido por oficiais e soldados. Relata seu ferimento em combate e a procura por quem cuidasse de suas feridas.

Como testemunha dos fatos, descreve as horas de descanso, os versos, as trovas, as troças, as coisas próprias dos soldados e, principalmente, sua bravura frente ao inimigo, com as lamentáveis perdas de camaradas e irmãos de armas.

Não há como não se emocionar ao ler o seu relato final, sobre sua chegada à fazenda da família, no interior da Bahia, após uma  ausência de mais de sete anos.

Dionísio Cerqueira

O autor

Dionísio Evangelista de Castro Cerqueira foi um militar, político, ministro de Estado, diplomata geógrafo, engenheiro e escritor brasileiro. Após a Guerra do Paraguai, foi matriculado na Escola Militar, seguindo a carreira de oficial do Exército Brasileiro.

Republicano, fora Constituinte em 1891, como deputado federal eleito por seu estado, a Bahia, exercendo mais dois mandatos legislativos. No governo do Presidente Prudente de Moraes, foi Ministro das Relações Exteriores e, interinamente, da Guerra e da Viação. Como geógrafo, participou ativamente dos trabalhos de demarcação de fronteiras com a Venezuela, das questões das Missões e do Acre, e da demarcação de limites entre o Brasil e Argentina, de Quaraí a Iguaçu. Essa atuação nas fronteiras, em particular nas selvas do norte do país, o aproximou dos indígenas, sobre os quais estudou a cultura e sociologia. Aprendeu algumas de suas línguas, chegando a ser considerado como um precursor do Marechal Rondon.

Nascido a 2 de abril de 1842, na cidade de Castro Alves-BA, Dionísio Cerqueira faleceu em Paris, em 15 de fevereiro de 1910, quando se encontrava como chefe da Missão Militar Brasileira de Estudos, na Europa.

No Estado de Santa Catarina, na fronteira com a Argentina, há um município batizado com o seu nome, como homenagem à sua atuação na demarcação de limites com o país vizinho, na chamada “Questão de Palmas”.

Cerqueira não chegou a ver seu livro publicado. Morreu enquanto corrigia as provas para sua impressão. A ideia de lançar as “Reminiscências” deveu-se à insistência de amigos e leitores da “Revista Anais”, periódico no qual ele havia publicado algumas lembranças sobre a guerra.

“Reminiscências da Campanha do Paraguai”

Este não é apenas um relato de guerra, mas uma história sobre patriotismo, valores inerentes e transcendentes à vida militar. Também é uma ode à vocação militar, um chamado que remete à renúncia, abnegação e sacrifício.

A obra de Dionísio Cerqueira é um testemunho vivo do amálgama que se formou na Guerra do Paraguai, entre brasileiros de todas as províncias, de várias origens e de qualquer cor de pele. Tal unidade transformaria o Exército Brasileiro em uma instituição nacional e permanente, apta a participar da vida da nação e a colaborar para seu desenvolvimento e destino de grandeza.

 A primeira edição dessa obra foi lançada, no Brasil, em 1948, pela Biblioteca do Exército (Bibliex), tendo uma segunda edição nos anos 1950 e, finalmente, no ano de 1980, como parte das homenagens ao centenário do falecimento do Duque de Caxias.

Para quem deseja saber como foi o conflito com o Paraguai, maior guerra do continente sul-americano, sob o ponto de vista de um combatente, com as agruras, temores, vitórias e glórias, essa obra é uma excelente oportunidade para mergulhar nos lodaçais, campos e matas do Paraguai..

Atualmente, a 3ª edição da obra ainda pode ser encontrada no site da Bibliex, ao preço de R$20,00.

Em sebos, pode ser adquirida por menos da metade desse valor.

Um livro tocante:

REMINISCÊNCIAS DA CAMPANHA DO PARAGUAI 1865-1870

BIBLIOTECA DO EXÉRCITO

Rio de Janeiro – 1980

Disponível na Bibliex (Link AQUI)

Reminiscências da Campanha do Paraguai

Deixe um comentário

1 × 3 =